1º LUGAR NO CONCURSO CEMITÉRIO DE FERREIRAS . ALGARVE . 2018 . 21 378 m2 . CLIENTE - CÂMARA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA 
CO-AUTORIA: ARQUITECTO RODRIGO COELHO
A construção de um cemitério trata de um programa coletivo onde a dimensão espiritual e religiosa implicam uma reflexão e cuidados especiais na definição e qualificação dos espaços. O cemitério, além do local onde se depositam os corpos mortos, é um espaço de culto e de silêncio, destinado aos vivos. 
O terreno destinado à construção do novo cemitério de Ferreiras tem 21,378 m2, uma forma retangular alongada no sentido norte-sul e uma pendente para Sul, com cerca de 8m de desnível. A norte, o terreno está limitado pela linha de caminho-de-ferro e A22A Norte, e a Sul pelas áreas urbanas adjacentes à Avenida de Malhada Velha e Avenida 25 de Abril.
A Igreja paroquial de São José de Ferreiras é a referência construída mais significativa da envolvente próxima ao terreno. 
Pretende-se que o conjunto a edificar (edifício de apoio e espaços de inumação) preserve o carácter do local e não constitua um elemento de rutura ou dissonância relativamente à envolvente próxima ou ao suporte natural onde se insere. 
A configuração planimétrica e topográfica do terreno, bem como a existência de um único acesso e a assunção do conceito mediterrânico do cemitério como um “campo-santo”, demarcado e fechado - leva-nos a definir a área de implantação como um recinto murado, com cerca de 85 metros de frente por 150 de profundidade.
O espaço organiza-se a partir da marcação bastante clara de uma “alameda central” à qual se contrapõem duas alamedas transversais principais, que definem a implantação de estruturas de inumação diferenciada. Os percursos adjacentes à estrutura principal, assumem-se como mais intimistas, em contraponto à alameda central, com carácter mais formal e cerimonial. 
Um caminho de “pé-posto” que atravessa o terreno no sentido nascente poente, dá origem ao percurso transversal com direção dissonante da estrutura espacial principal, e estabelece o remate do eixo principal do cemitério. 
A escolha de pavimentos para os percursos torna clara a estrutura do recinto: opta-se por marcar os principais percursos e espaços de paragem ou estadia com a utilização de “tijolo de burro” aplicado ao cutelo, sendo utilizado o saibro nos restantes espaços.