REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIO NA TRAVESSA DO ALMARGEM . LISBOA . 2014 . 1500 m2 . CLIENTE - IMPÉRIO 27 . FOTOGRAFIAS - JOÃO WENGOROVIUS E MDS
O edifício do Pátio Afonso de Albuquerque datado de 1878 era composto por Rés-do-chão mais 3 pisos. Situa-se na encosta sul que desce da Sé para o Rio, e faz parte de um enorme quarteirão atravessado por túneis que sobem a encosta.  O edifício era dividido a meio pelas escadas, tinha dois apartamentos por piso, de tipologias grandes, e encontrava-se totalmente devoluto e em muito mau estado de conservação.
O programa previa a divisão do espaço em apartamentos mais pequenos, o que levou a criar duas novas frações, passando a um total de 4 por piso, mas respeitando a estrutura original do edifício. A entrada manteve-se, acrescentou-se mais um tramo da escada conduzindo ao sótão que não tinha utilização, a cobertura foi refeita, com o desenho, cotas e inclinação primitivas, apenas foram introduzidas trapeiras no alinhamento dos vãos inferiores para melhor aproveitamentos do espaço do sótão. Foi colocado um elevador localizado junto às escadas, de modo a dar acesso a todas as frações mas não interferir no desenho de cobertura. 
No interior das frações, a opção foi a recuperação dos elementos patrimoniais essenciais como chaminés, portas, guardas e portadas.
Durante a fase de escavação arqueológica, foram encontrados dois elementos arquitectónicos relevantes : um arco de grandes proporções que se pensa tenha pertencido à muralha da Sé, que está na parede do saguão, ocupa dois pisos. Este elemento foi estudado e tapado.
Junto à fachada principal, surgiu uma coluna com capitel Manuelino, que ficou integrada no espaço da loja.